Indígenas e Quilombolas se unem contra a PEC 215 no sul do Brasil

indigenaquilombolapec215-sc

Uma sessão ordinária da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, um dos mais anti-indígenas do Brasil, foi interrompida para dar espaço na tribuna a manifestações de representantes do Movimento Negro, das comunidades quilombolas e dos indígenas, que solicitaram apoio dos parlamentares e de suas bancadas para barrar iniciativas que retiram direitos desses povos.

Integrantes do movimento de vários municípios participaram da sessão para acompanhar a manifestação de seus representantes. O requerimento que possibilitou a fala das lideranças foi assinado pela líder do PT, deputada Luciane Carminatti, e outros líderes.

A cacique Eunice Kerexu, da Terra Indígena Morro dos Cavalos, que será alvo da CPI da Funai e Incra, falou sobre a situação dos povos indígenas e contra a Proposta de Emenda Constitucional 215/2000. Os indígenas temem que essa iniciativa limite ainda mais o ritmo das demarcações das terras.

“Infelzmente, nos últimos anos, o governo reconheceu apenas 11 terras indígenas, um resultado catastrófico para os povos indígenas”, disse a cacique Eunice.

Os povos indígenas brasileiros vivem hoje em 1.047 terras, muitas ainda não legalizadas. “Essas terras não servem apenas aos indígenas, são lugares onde o meio ambiente é preservado”, frisou.

O movimento negro e os remanescentes de quilombos apoiam os indígenas na luta pela rejeição da PEC 215 e se mobilizam também pela rejeição da Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.239, que requer a inconstitucionalidade do decreto 4.487/2003. O decreto regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o artigo 68 da Constituição. A ação de inconstitucionalidade é movida pelo partido Democratas, conforme explicou a representante do Movimento Negro Unificado, Maria de Lurdes Mina.

“As únicas terras que não são mercadoria são aquelas ocupadas por reservas indígenas e comunidades quilombolas. Latifundiários, minerados e madeireiros querem o pouco que restou preservado no território brasileiro. Continuaremos resistindo e queremos que os deputados tenham consciência desses direitos”, disse. Ela pediu apoio dos deputados estaduais na sensibilização de suas bancadas.

O representante dos quilombolas, Manoel dos Passos Matias Pereira, de Garopaba, lembrou que o Estado brasileiro realizou uma reparação histórica ao garantir aos remanescentes dos quilombos o direito constitucional à terra. “Temos resistido a duras penas. Queremos que a constituição seja respeitada, assim como o decreto 4.487 e a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho.”

Os deputados Padre Pedro Baldissera (PT), Luciane Carminatti, José Milton Scheffer (PP) e Mário Marcondes (PR) declararam apoio à causa dos indígenas e quilombolas.
Lisandrea Costa
Agência AL

Anúncios

Queremos sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s